21 maio 2009

Paiê, me dá sua cadeira de conselheiro?

Por Adriana Vandoni
 
Não sei como são os TCEs do Brasil afora, mas o de Mato Grosso sagrou-se nesta quarta-feira a mais grotesca instituição de deboche à população. Gozação, não existe outra forma para definir o TCE de Mato Grosso. Há uma semana uma auditoria na Câmara de Cuiabá revelou que as contas analisadas e aprovadas em dezembro pelo TCE tinham um rombo de pelo menos R$ 3 milhões. Agora um conselheiro se aposenta e transfere sua vaga para seu filho. Assim, hereditariamente, como se fosse um patrimônio da família.
 
Tudo aprovado pela assembléia, claro. Bem, mas a assembléia de Mato Grosso há tempos deixou de ser um lugar de pessoas sérias. Com apenas um voto contrário, Campos Neto foi “aprovado” na calada da noite pelos seus iguais para ocupar a cadeira vitalícia e hereditária no tribunal de contas de Mato Grosso.
 
O novo conselheiro do Tribunal de Contas do estado de Mato Grosso, deputado Campos Neto, é um “garotão” que faz sucesso em colunas sociais e leva ao delírio as jovens eleitoras da periferia de Várzea Grande, cidade vizinha da capital. Um jovem deputado que em dois mandatos produziu um histórico de trabalho que compreende na transformação sete ONGs em Ocips, mudança do nome de três avenidas e a criação do dia Estadual de Limpeza de Nascentes.
 
É bem verdade que se comparado com o que entrou antes dele, pelo menos este, apesar da pouca utilidade, não é chamado de ladrão pelo ministério público. Imagine só, um acusado de ter roubado dinheiro público, “julga” possíveis desvios do dinheiro público cometidos por outros. Não é de se admirar que não tenha percebido o desvio de R$ 3 milhões da Câmara de Cuiabá. Pode ser levada a sério esta instituição fiscalizadora?
 
Então palmas para o novo conselheiro, para a assembléia e para o TCE de MT, que dá um passo a mais para a sua gloriosa desmoralização. Meses atrás fui convidada para o lançamento de um novo portal da instituição onde, dizia-se, a transparência seria total. Pois é, hoje vejo quanto dinheiro jogado fora na implementação de tão sofisticada tecnologia, quando a conta lá ainda é à base de caderneta. Uma mera legitimadora da corrupção alheia. É nisso que está se transformando, de forma patética, o Tribunal de Contas de Mato Grosso, a ponto de sentirmos saudade do tempo em que era apenas um depósito de políticos em fim de carreira.
 
Será que não é chegada a hora de repensarmos a utilidade dos Tribunais de Contas? De colocarmos na ponta do lápis quanto custa ao povo bancar toda aquela estrutura nababesca se nem fiscalizar o dinheiro público, que é sua função, faz?
Sei que há na instituição pessoas sérias, mas é bom que saibam que a omissão crônica os transforma em cúmplices dessa palhaçada, desse deboche à inteligência alheia.
 
extraído de: http://www.paginado e.com.br/ home/post/ 3019

Um comentário:

Lenny disse...

A Adriana Vandoni é conhecida por minha pessoa por sua lingua ferina (pergunta se me importo? muito do contrário), e o que ela colocou e explicou neste texto... Não sei porque não fui tomado por susto, sendo a familia Campos conhecida por todas as suas "benfeitorias" aos Cidadãos Mato Grossenses, pelos históricos da "luta pela melhoria" do nosso tão massacrado povo pela corja politica que enraizou-se no poder, e dia após dia luta para que sejam perpetrados em outros setores do, como o TCE..., mas tudo bem, nada mais justo AFINAL TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS, POIS EXISTE UM BANDO DE MALIDICENTES QUE CONSEGUEM SE VENDER, SE ENTREGAM POR UM CHURRASCO, UMAS LATAS DE CERVEJA DE QUINTA CATEGORIA, POR UNS TIJOLOS, POR UNS TROCADOS... E VAMOS PAIRAR MESMO NA MERDA ENQUANTO, NESTE ESTADO PERSISTIREM EM ACREDITAR QUE VER BUNDA NA TELEVISÃO, E VIVA SEU BAIRRO É ALGO CULTURAL! QUERO VÁ TUDO PARA A PUTA QUE OS PARIU. CHEGA A DAR NOJO SABER QUE INFELIZMENTE POUCAS SÃO AS VOZES DISCORDANTES... MAS CONTINUO SIM A FAZER A MINHA PARTE... POSSO AS VEZES SER DERROTADO, MAS, NUNCA DESISTIREI. POR AMOR AO MEU ESTADO E A MINHA CIDADE.